Impressora 3D não substitui o couro

Impressora 3D não substitui o couro

Caixa de texto: Mercado de vendas
A terceira semana de maio aponta para uma redução do valor da média diária nas exportações brasileiras de couro, que era de US$ 6,7 milhões na primeira quinzena e agora caiu para US$ 6,3 milhões. No âmbito interno, o SICC mostrou o couro presente nos calçados de marca, mas sem crescimento nos demais.

     A fundadora da organização de ensino e tecnologia The Footwearists, Nicoline van Enter, disse que as organizações que lideram o uso da tecnologia digital na indústria de calçados devem ter o cuidado de usar tecnologia como impressão 3D apenas para o que é bom”. Falando no Congresso UITIC 2018, realizado na cidade do Porto, disse que defende a tecnologia digital, mas que não adianta pensar em usar uma impressão 3D para fazer um Oxford de couro. “A única razão pela qual as empresas fazem e os consumidores compram sapatos assim é por causa da qualidade do couro”, enfatizou.
     Ela disse que está esperando por uma fusão entre artesanato e digitalização, porque há certas coisas que um robô pode fazer bem e outras coisas que somente as pessoas podem fazê-lo. “Não acredito em tentar tornar tudo mais rápido e barato. Não acredito em estabelecer um McDonald's para calçados”, concluiu.

24 de Maio de 2018

Mais Notícias

Conheça nossos

Associados

TFL DO BRASIL INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA
CURTUME A. P. MÜLLER LTDA
AMCM IND. COM. IMP. EXP. SERV TÉCNICOS LTDA.
TAN EXPORT - IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA
GOBBA LEATHER INDUSTRIA E COMERCIO LTDA
CURTUME VIPOSA S.A. IND E COM