Editorial

Agregação de valor e os diferenciais na utilização do couro para produção de artefatos

A agregação de valor ao produto industrializado pelos curtumes é, de longa data, o grande anseio da classe curtidora nacional.
Sabemos, os curtidores gaúchos e brasileiros, que teremos empresas potencialmente ativas e altamente produtivas na medida em que tenhamos em paralelo, uma forte e dinâmica indústria que permita transformar o couro em produtos manufaturados.

O exemplo das décadas de 1970 e 1980 é significativo. Os curtumes brasileiros exportavam não mais de que 20% de sua produção. Os restantes 80% era transformados em calçados, acessórios, bolsas, vestuário e móveis, destinados ao mercado interno e também ao mercado internacional. A indústria calçadista chegou a exportar, à época, mais de 120.000.000 (cento e vinte milhões) de pares de calçados de couro/ano. Em 2016 exportou 20.400.000 de pares.  
 
Ocorreu a agregação de valor às avessas. O segmento curtidor da cadeia passou a exportar a matéria prima que foi agregar valor e gerar empregos em outros países, principalmente na China e na Itália.

A falta de estímulo à atividade produtiva, com embaraços de toda ordem às ações do empreendedor, somada às injunções ocasionadas pela queda da capacidade de compra da população e pela própria moda que permite o uso de materiais alternativos, fez com que o foco do setor curtidor se direcionasse ao mercado externo, para onde destina hoje 80% de sua produção. No ano de 2016, os curtumes gaúchos exportaram 38,5 milhões de metros quadrados de couro, 75% dos quais nos estágios acabado e semi-acabado. O Brasil exportou 193,9 milhões de metros quadrados de couro.  

Dados históricos indicam que, a cada 5 milhões de m² de couro exportado, qualquer que seja o estágio, deixam de ser gerados aqui até 13.000 empregos diretos e nada menos que 39.000 empregos indiretos.

Mesmo que se  considere as variáveis impostas pela moda e pelo baixo poder aquisitivo da população, é inadiável que seja construída uma estratégia setorial com foco na recomposição do poder de industrialização da cadeia produtiva de modo a agregar valor à matéria prima couro aqui produzida, quer seja exportando maior contingente de couro acabado em detrimento de outros estágios, quer seja, e, preferencialmente, incentivando a manufatura de calçados, artefatos, móveis, vestuário e tudo o mais que permita a utilização desta nobre matéria-prima, ou, seremos agentes passivos da destruição da indústria do couro e manufaturados no nosso país.

Esta não deve ser uma política de governo. Deve, obrigatoriamente, ser uma política de Estado.  

Conheça nossos

Associados

ILSA BRASIL INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES LTDA
CURTUME A. P. MÜLLER LTDA
CURTUME SULINO LTDA
TFL DO BRASIL INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA
CORTUME KRUMENAUER S.A.
A. BÜHLER S/A - CURTUME